Antioxidantes Naturais na Alimentação Animal

Fonte: https://www.relvaverde.com.br

As gorduras e os óleos são produtos provenientes do processamento industrial das carnes, grãos de oleaginosas e de alguns cereais. Estes ingredientes são utilizados nas rações de aves e suínos como excelente fonte de energia e ácidos graxos essenciais. A utilização destes ingredientes tem por objetivo, aumentar o nível energético das rações, melhorar a palatabilidade das mesmas, assim como melhorar a conversão alimentar, a absorção das vitaminas lipossolúveis, além de propiciar uma melhoria na consistência das rações fareladas e/ou peletizadas (PUPA, J. M. R., 2004). O uso de lipídios na ração gera uma preocupação em relação ao tempo de vida útil da mesma, visto que sob o efeito de temperatura, por exemplo, esses lipídios começam a sofrer reações químicas oxidativas alterando física e quimicamente a ração. Para assegurar que esses nutrientes não sofressem tal reação, passou-se a utilizar aditivos nas rações, como o uso de antioxidantes. Segundo United State Food and Drug Administration (U.S.F.D.A), os antioxidantes são substâncias empregadas na preservação de alimentos por retardar deteriorização, rancidez ou descoloração devido a oxidação.
A oxidação dos lipídios presentes na ração, além de alterar sabor, textura, aroma e cor, produz substâncias que são tóxicas aos animais. A ingestão dessas substâncias poderá causar irritação da mucosa intestinal, diarreia, degeneração hepática, aterosclerose, anemia hemolítica, inflamação e mutagênese. Além disso, traz prejuízos nutricionais devido à perda parcial de vitaminas lipossolúveis, a co-oxidação da vitamina C, a formação de lipídeos oxidados antagonistas de nutrientes essenciais, como tiamina, riboflavina, proteínas, lisina, aminoácidos sulfurados, vitamina B12, pantotenato, entre outros, como também a destruição parcial dos ácidos graxos insaturados essenciais.
Os antioxidantes BHT e BHA podem apresentar certa toxidade e uma eficiência menor em relação a alguns antioxidantes naturais. Entretanto, esses antioxidantes têm se mostrado eficazes e têm sido utilizados na indústria de alimentos e rações. Alguns estudos mostram que frangos que tiveram BHT ou BHA adicionados a sua dieta apresentaram melhora na qualidade da carne em relação à resistência à oxidação e que o BHT mostrou-se eficiente na diminuição dos efeitos deletérios da aflotoxina sobre o desempenho de frangos de corte.
No entanto, diante de um maior conhecimento por parte dos consumidores no que diz respeito à segurança dos aditivos nos alimentos, teve-se a necessidade de se buscar fontes naturais de antioxidantes. Esses, podem se apresentar como agentes redutores, inibidores de radicais livres, quelantes e/ou sequestradores do oxigênio e desativadores de metais pró-oxidantes. Os compostos fenólicos são encontrados em abundância no reino vegetal, esses compostos podem retardar o início da oxidação lipídica, influindo tanto na decomposição de hidroperóxidos nos alimentos, como também, em tecidos animais. Dentre eles estão:
-Tocoferóis (Vitamina E): Seus isômeros estão presentes nos vegetais, desempenhando função antioxidante para a manutenção dos tecidos, como também, nos animais. Agem, principalmente, na propagação e terminação do processo oxidativo, estabilizando os radicais livres formados pelos ácidos graxos.
-Ácidos fenólicos: Funcionam como sequestradores de radicais e também podem servir de quelantes de metais, agindo tanto na etapa de iniciação como na fase de propagação do processo oxidativo.
-β-caroteno (percursor da Vitamina A): Visto como o melhor eliminador do oxigênio singlete (forma energizada, mas sem carga do oxigênio) que é tóxico para as células. Mostra-se excelente na captura de radicais livres em uma concentração de oxigênio baixa.
-Vitamina C: Auxilia o organismo na defesa contra o ataque dos radicais livres. Quando associada à Vitamina E e A, mostra-se ainda mais eficaz, visto que regenera a capacidade antioxidante desta última. A Vitamina C necessita ser periodicamente administrada por não se acumular no organismo.
-Selênio: É um mineral que forma o centro ativo de várias enzimas antioxidantes, incluindo a glutationa peroxidase. Similar ao Selênio, têm-se o Manganês e o Zinco que formam uma parte essencial das várias enzimas antioxidantes.
-Superóxido dismutase (SOD), Catalase (CAT) e Glutationa peroxidase (GPx): São enzimas antioxidantes que servem como linha primária de defesa na destruição dos radicais livres.
Além das vitaminas, minerais e enzimas, há outros compostos e nutrientes que também possuem propriedades antioxidantes. Entre eles está a Coenzima Q10 (CoQ10 ou ubiquinona) que é essencial na produção de energia e proteção do organismo contra radicais livres. O ácido úrico, produto do metabolismo do DNA, também é reconhecido como antioxidante.

Sobre Ulisses Barbosa

Ulisses Barbosa
Graduando em Zootecnia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB; Baiano; Disposto a partilhar o que pouco sei. "Fazes crescer capim para o gado e verduras e cereais para as pessoas, que assim tiram da terra o seu alimento... Que a Glória de Deus, o Senhor, dure para sempre! Que Ele se alegre com aquilo que fez!" -Salmos 104:14,31'

Veja Tambem!

Utilização da uréia na alimentação de bovinos

A uréia é um composto sólido, nitrogenado não protéico derivado do petróleo. Ao alcançar o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com