Utilização da uréia na alimentação de bovinos

A uréia é um composto sólido, nitrogenado não protéico derivado do petróleo. Ao alcançar o rúmen do animal, através da enzima uréase é desdobrada em amônia e CO2, daí os microorganismos passam a usar essa fonte de nitrogênio para síntese de nova proteína. A principal vantagem da uréia é permitir a economia de insumos sem comprometer a produtividade dos animais, e o melhor aproveitamento de alimentos com teor de fibras (grosseiros). A aptidão para o uso as amônia pelos microorganismos do rúmen é o fator mais importante na nutrição de ruminantes. A proteína sintetizada através da uréia é também degradada no abomaso e intestino, e os aminoácidos (constituintes de proteína), são absorvidos e levados para os tecidos pelo sangue, onde poder ser utilizados para a síntese de nova proteína.

FATORES QUE INFLUENCIAM O APROVEITAMENTO DA URÉIA PELOS RUMINANTES – A fonte e a quantidade de carboidratos são os fatores mais importantes para a síntese de proteína microbiana pelos microorganismos do rúmen. – O nível de proteínas verdadeiras na dieta afeta a conversão de nitrogênio não protéico em proteína microbiana, portanto é imprescindível. – Aminoácidos contendo enxofre, como cisteina, cistina e metionina, saem sintetizados pelas bactérias e incorporados à proteína microbiana. – A idade a categoria animal e o tipo de exploração afetam o aproveitamento da uréia. – A uréase pelo afto de ser produzida por bactérias, o liquida do rúmen apresenta uma alta atividade ureolítica. Por isso, a taxa de hidrólise da uréia do rúmen é quatro vezes maior que a capacidade de utilização de amônia pelas bactérias do rúmen.

OBSERVAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DA URÉIA – As exigências nutricionais, devem estar satisfeitas em energia e minerais principalmente. – A primeira regra pratica: o nitrogênio da uréia não pode ser maior do que 33% do nitrogênio total da dieta. – A quantidade da uréia na ração não pode ser superior a 1% da matéria seca da dieta. – Quando os animais são alimentados com concentrados, a uréia não pode ultrapassar 3% da mistura. – Para uma margem de segurança, ministrar de 30 a 50 gramas de uréia para cada 100kg de peso vivo do animal, conforme o tipo de dieta e modo de administração. – A uréia deve ser misturada homogeneamente no alimento concentrado para obter uma ingestão regular do alimento. – As misturas contendo uréia devem ser fornecidas pelo menos duas vezes ao dia. -O controle do consumo individual deve ser rigoroso.

TOXIDEZ DA URÉIA E PREVENÇÃO Os sintomas de intoxicação incluem surdez, inquietação, tremores musculares, salivação excessiva, defecação constante, respiração ofegante, incoordenação motora, enrijecimento das pernas, empanzinamento (ventre aumentado), colapso circulatório, asfixia e morte. A toxidez ocorre quando a uréia é fornecida de forma rápida, ou quando os animais estão fracos ou não adaptados à dieta com uréia, ou ainda quando não há fontes de carboidratos solúveis na dieta, ou quando a mistura não está bem feita. A intoxicação é devida ao excesso de amônia no rúmen. A melhor forma de adaptar o animal a dieta contendo uréia pelo aumento gradual semanalmente, até alcançar a ingestão da quantidade desejada. Deve-se iniciar com um quarto (25%), da quantidade total.

COMO UTILIZAR A URÉIA Silagem: a silagem tem sido usada amplamente como veiculo para ministrar uréia nos animais. Trabalhos mostram que silagem sem nenhum aditivo foi incapaz de manter o peso vivo dos animais, e quando adicionou uréia, (0,5%) houve ganhos da ordem de 0,880kg por dia. Uréia com cana-de-açúcar: A mistura de uréia com cana-de-açúcar é relativamente simples, deve ser utilizada a 0,5% no período de adaptação e a 1% após a segunda semana de uso. Para uma melhor performance dos animais, a cana-de-açúcar deve ser corrigida com minerais, proteínas e gordura. Uréia com restos culturais: as palhadas (arroz, cevada, feijão, bagaço de cana) são caracterizadas pelo alto conteúdo de parede celular e baixo teor de digestibilidade. A utilização da uréia nas palhadas consiste em: Preparar uma solução de 5% de uréia (5kg para cada 100 litros de água) aplicar esta solução de 0,5 litros por kg de palha, em seguida cobrir o material com lona plástica, vedando todos os orifícios. Após 3 semanas remover o material  e expor ao sol para secagem. Os seguintes resultados com palha de arroz foram obtidos: teor de proteína passou de 3% para 7,1%. A digestibilidade da matéria orgânica passou de 41% para 52%. Houve aumento na ingestão de matéria seca em 27%. Uréia com concentrados: diversos trabalhos mostram que é necessário usar fonte de nitrogênio protéico quando se usa uréia (melaço, farelo de algodão, farelo de trigo e fubá de milho). Tratamento de intoxicação: forçar o animal intoxicado a ingerir vinagre no inicio na intoxicação, seguindo-se i,a segunda ingestão de 3 horas após a primeira, de 3 a 5 litros por animal.

 

Sobre Erick

Erick
Graduando em Zootecnia na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia ( UESB )

Veja Tambem!

Importância do Cromo na dieta animal

O aumento do interesse sobre o emprego do Cr como fonte suplementar na dieta de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com