Conforto térmico e sua alteração na produção leiteira

O leite é um alimento completo nutricional e apresenta várias características sendo bastante utilizados pela população mundial, sua grande importância vem dos nutrientes encontrados na sua composição (proteínas, minerais, vitaminas, lipídios, glicídios dentre outros). Contém um grande beneficio  para a saúde humana, todos seus nutrientes têm ação direta em nosso organismo, como por exemplo, o cálcio que é essencial para a estrutura óssea, na dentição e na imunidade.O sucesso na produtividade é atingido com qualidade e em quantidade satisfatória atendendo a demanda dos consumidores, com isso, diversos fatores devem ser considerados, dentre eles á adaptabilidade das diversas raças de animais leiteiros as condições regionais.

Animais quando adaptados a determinados ambientes, respondem positivamente a produtividade, no entanto quando ocorre variação de temperatura nesse ambiente os animais ativam seu sistema termorregulatório para manter seu conforto térmico.Quando ocorre essa variação de temperatura tanto calor como frio, os animais priorizam a manutenção da homeotermia e dessa forma a produção de leite e a reprodução são as primeiras funções a serem prejudicadas pelo estresse térmico, um dos primeiros sinais visíveis desse estresse é o aumento da frequência respiratória para promover a perda de calor por meio de evaporação.

Para que esse ambiente seja considerado confortável o animal deve se encontrar em equilíbrio térmico, ou seja, quando o calor produzido é perdido para o ambiente sem causar prejuízos a homeostase do animal. Conforme ocorrem variações nas condições de genética, nutrição e ambiência ocorrem alterações na dinâmica da produção leiteira. Sendo a nutrição um fator de extrema importância, pois o animal transforma o alimento em produto de interesse humano. Dessa forma, o entendimento da inter-relação dos elementos do clima com os fatores genéticos, nutricionais e fisiológicos, faz com que a produtividade animal possa ser ampliada.

À medida que aumenta a umidade relativa e a temperatura ambiente altera a susceptibilidade dos bovinos ao estresse calórico, pois ultrapassam a sua zona de conforto térmico, quando isso ocorre a dissipação de calor é dificultada, aumentando então a temperatura corporal e causando um efeito negativo sobre o desempenho produtivo dos animais. Para o entendimento da relação entre o conforto térmico e a produção leiteira, um dos fatores importante é saber que o animal faz parte do ambiente, no qual existe uma interação, existindo fatores externos e internos que alteram a capacidade produtiva.

As alterações ambientais provocam consequências fisiológicas nos animais como respostas de regulação da temperatura. Quanto menor a energia destinada a esses processos maior é a quantidade de energia disponibilizada para a produção leiteira. O correto entendimento dessa dinâmica repercutirá nas instalações zootécnicas destinadas aos animais.

Quando o animal se encontra-se em homeostasia isso significa que ele a sua produtividade estará maior. Segundo MARTELLO et al. (2004), há vários indicativos que podem caracterizar o bem estar e o conforto do animal, que serão determinados por meio de elementos climáticos. Para a obtenção de boas produtividades o animal precisa ser submetido a um ambiente com temperaturas adequadas para que possa se alimentar corretamente e converter o alimento em produção.

A temperatura é um dos fatores ambientais que irá interferir de forma significativa na produtividade, já que no Brasil o clima é predominantemente tropical, possuindo altas temperaturas médias na maior parte do ano o que vai favorecer ainda mais o estresse térmico.

Os animais têm sua máxima capacidade de produção dentro de uma zona de termo neutralidade , isso significa uma faixa de temperatura adequada que possibilite o seu conforto térmico, mas esta faixa varia de acordo com a idade, espécie e raça, ingestão de alimentos, composição da dieta, alojamento, sistema de climatização entre outros. Os processos de perda de calor dentro da Zona de Termo Neutralidade são os não evaporativos consistindo em radiação, condução e convecção.

Dentro da faixa de conforto as funções fisiológicas relacionadas com a manutenção da temperatura corporal constante ocorrem sem a mínima mobilização dos mecanismos termorreguladores, sendo assim, os animais sob estas condições não sofreram estresse por frio ou calor e tem um mínimo desgaste, possibilitando também melhores condições de saúde e produtividade para o mesmo.

Segundo KADZERE e AZEVEDO eles indicam que para bovinos leiteiros a ZTN situa-se entre 5 e 25°C, porém o se u limite superior pode variar entre 24 e 27°C. Por meio da Figura 1, percebe-se que ao afastar-se da região ótima (BC) existirá tanto o estresse pelo frio quanto pelo calor o que poderá levar o animal até a morte.

Uma das estratégias para minimizar o problema do estresse térmico em vacas leiteiras é por meio de estratégias de cruzamento. Assim a melhor opção seria o cruzamento de uma espécie com maior resistência ao calor com outra de alta produção.Neste sentido, QUEIROZ et al. (2009), sugerem o cruzamento de bovinos de raça européia com raças zebuínas, pois estes têm sido largamente utilizados para elevar o potencial dos animais, devido à expressão da heterose. Pois animais zebuínos em comparação com animais europeus são mais resistentes ao calor e a outros fatores ambientais que causam estresse térmico.

A produção animal está diretamente relacionada com a quantidade e a qualidade nutricional dos alimentos que este animal consome. Sendo assim uma das  fonte de nutriente mais econômica é a pastagem.O sistema de silvipastoril realiza a integração entre a produção florestal e animais, fazendo com que algumas características sejam vantajosas principalmente em zonas tropicais como as brasileiras. Nesse sistema, verifica-se que a temperatura do solo, a radiação fotossinteticamente ativa, o total da radiação globale a velocidade do vento se reduzem do sistema sem árvores em comparação ao com árvores, dessa forma, os animais estarão mais propícios em estarem mais próximo a ZTN para assim realizarem a ingestão de alimento e terem seus potenciais fisiológicos de produção maximizados.

Bovinos leiteiros de alta produção possuem elevada exigência nutricional e devem receber alimentos de qualidade, pois quanto pior o valor nutritivo dos ingredientes que compõem a dieta, maior deverá ser o consumo. O fornecimento de alimentos com alto teor de fibra e baixa digestibilidade aumentam o tempo de retenção no rúmen, consequentemente a maior taxa de fermentação produz mais calor pelo metabolismo basal.

O ambiente físico onde os animais ficam alojados possui grande influência sobre o desempenho animal, pois abrange elementos meteorológicos que afetam os mecanismos de transferência de calor e dessa forma a regulação do balanço térmico entre o animal e o ambiente no qual a homeotermia é mantida de forma indireta pelos processos de transferência de calor por convecção, radiação, condução e evaporação, esses processos ocorrem na superfície do animal.

O estresse térmico é um importante fator a ser entendido pelos produtores e técnicos inseridos na produção leiteira. Uma das grandes dificuldade de identificar o cio, manutenção da gestação, baixo consumo de alimento e baixa produção leiteira serão uma constante na produção de leite em regiões tropicais e subtropicais onde ocorre pouca variação climática.

A produção de vacas leiteiras está diretamente ligada à proporção de tempo que o animal está submetido à zona de termo neutralidade.O efeito do estresse térmico no desempenho e no comportamento animal, possivelmente será um problema crescente devido às altas taxas populacionais.

Referências

AZEVEDO, M.; PIRES, M. F. A.; SATURNINO, H. M. et al. Estimativa de níveis críticos superiores do índice de temperatura e umidade para vacas leiteiras ½, ¾, 7/8 Holandes – zebu em lactação. Revista Brasileira de Zootecnia. v.34, n.6, p.2000- 2008, 2005.

KADZERE, C. T.; MURPHY, M. R.; SILANIKOVE, N.; et al. Heat stress in lactatingdairycows: a review. LivestockProduction Science, v.77, n.59-91, 2002.

MARTELLO, L.S.; SAVASTANO JUNIOR, H.; LUZ, S.; et al. Respostas fisiológicas e produtivas de vacas Holandesas em lactação submetidas a diferentes ambientes. Revista Brasileira de Zootecnia. v.33, n.1, p.181-191, 2004.

QUEIROZ, S. A.; COSTA, G. Z.; OLIVEIRA, J. A.; et al. Efeitos ambientais e genéticos sobre escores visuais e ganho de peso à desmama de animais formadores da raça Brangus. Revista Brasileira de Zootecnia. v.38, n.2, p.277-283, 2009.

RODRIGUES, A. L.; SOUZA, B. B.; PEREIRA FILHO, J. M. Influência do sombreamento e dos sistemas de resfriamento no conforto térmico de vacas leiteiras. Agropecuária Cientifica no Semi-Árido. v.6, n.2, p.14-22, 2010.

Sobre Ingridy Dutra

Ingridy Dutra
Graduando em Zootecnia - UESB Itapetinga, 19 anos. Bolsista de iniciação FAPESB. Católica Apostólica Romana, devota de Nossa Senhora Aparecida.

Veja Tambem!

Criar codornas, uma proposta grandiosa

A maior vantagem da criação de codornas é a rapidez com que o investimento retorna. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com