O caráter mocho e a intersexualidade em caprinos

Gregório Miguel Ferreira de Camargo*

*Zootecnista, doutor em Genética e Melhoramento Animal, professor adjunto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Dois Vizinhos-PR.

Algumas espécies de animais domésticos apresentam a possibilidade de terem indivíduos mochos (ausência de chifres) ou aspados (presença de chifres) como bovinos, ovinos e caprinos. Os genes que controlam essa característica são diferentes em cada uma das espécies.

Para ovinos e bovinos, há relativo interesse em possuir animais mochos, devido à facilidade de manejo. Todavia, essa não é uma prática cogitada para a espécie caprina devido ao fato de o fenótipo mocho estar associado à intersexualidade. O nome dado a esse evento é síndrome do mocho-intersexo (PIS – sigla em inglês). Ou seja, existe uma relação entre as duas características em que indivíduos nascem mochos e hermafroditas. Indivíduos intersexo (hermafroditas) não podem ser destinados à reprodução, assim um manejo prático na caprinocultura é manter animais aspados para evitar animais hermafroditas/inférteis, visto que essas duas características apresentam-se correlacionadas.

Quando duas características apresentam grau de associação genética, diz-se que há uma correlação genética entre elas. A correlação genética, por sua vez, pode ser causada por pleiotropia ou ligação gênica. Pleiotropia é a influência de um mesmo gene em duas características diferentes (visto que genes possuem diversas funções no organismo) e ligação gênica é a alta proximidade de genes cujos alelos possuem uma maior probabilidade de serem herdados conjuntamente.

Em caprinos, uma deleção de 11,7kb (kilo-bases) no cromossomo 1 é a causadora dos fenótipos (mocho e intersexo). Essa região engloba a região promotora de dois genes FOXL2 e PISRT1 que aparentemente têm efeito pleiotrópico nas duas características (estudo feito com animais das raças Alpina e Saanen). Todavia, os eventos genéticos por detrás da expressão das características ainda não foram totalmente elucidados.

Um marcador molecular baseado em PCR para uma região de microssatélite adjacente à deleção foi desenvolvido para genotipar os animais. Ele permite identificar pelo menos um alelo sem a deleção.

O fenótipo mocho é de ordem dominante (basta um alelo com a deleção para a expressão do fenótipo) e o intersexo é de ordem recessiva (é preciso dois alelos com a deleção para manifestar o fenótipo). Além disso, para um indivíduo ser hermafrodita, ele precisa ter cariótipo XX. (Lembra-se também que existe a possibilidade de ocorrência de indivíduos intersexo por outras causas como o mosaicismo (60XX/60XY), por exemplo).

Dada a natureza da herança genética por detrás da expressão dos fenótipos, alguns animais mochos não necessariamente são hermafroditas, mas numa população com vários animais mochos, há uma maior chances de aparecer animais com genitália mal formada.

Alguns estudos recentes com as raças Boer, Cashmere e Rangeland, na Austrália,  mostraram consistência da influência da deleção em ambos os fenótipos para as raças Boer e Cashmere. Entretanto, para animais da raça Rangeland, encontraram-se indivíduos aspados e intersexo. A possível explicação é a mudança no tamanho da deleção que pode ser raça-específico. Isso demonstra que o teste genético para a PIS pode não funcionar dependendo da raça com que se trabalha. Estudos a fim de desvendar os mecanismos genéticos da síndrome são importantes de serem feitos em várias raças a fim de avaliar a eficácia do teste e seu melhor entendimento. Além disso, possibilita a confecção de marcadores moleculares de ordem prática e aplicada à produção animal.

Em conclusão, mantém-se a recomendação de continuar reproduzindo animais com chifre para evitar indivíduos hermafroditas, com o advertimento de que a prática não  garante a não ocorrência de casos de indivíduos intersexo para todas as raças.

Referências

Batista M et al. True hermaphroditism in a horned goat with 60XX/60XY chimerism. Canadian Veterinary Journal. 2000

Kijas JW et al. Genetic diversity and investigation of polledness in divergent goat populations using 52 088 SNPs. Animal Genetics. 2012

Pailhoux E et al. a 11.7kb deletion triggers intersexuality and polledness in goats. Nature Genetics. 2001

Sobre Gregório Miguel Ferreira de Camargo

Zootecnista, doutor em Genética e Melhoramento Animal, professor adjunto do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador-BA. Contato: gregorio.camargo@ufba.br

Veja Tambem!

Aspectos genéticos da presença/ausência de cornos em bovinos

Introdução Na vida selvagem, a presença de cornos é de fundamental importância. Animais aspados (com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com