Brucelose

É uma doença transmissível que ataca os bovinos, outras espécies animais e o homem. A bactéria (germe) localiza-se no útero, na placenta e/ou no úbere das fêmeas doentes, e nos testículos de bovinos infectados.

Maneiras de Transmissão da Brucelose

O principal meio de introdução da brucelose num rebanho sadio é pela aquisição de bovinos infectados. A transmissão do germe se dá principalmente pela via oral, devido a dois fatores:

  1. a) O hábito de um bovino sadio lamber a genitália de uma fêmea doente.
  2. b) A ingestão de alimentos contaminados por:

Urina de bovinos doentes.

    • Fezes de bezerros recém-nascidos de vacas doentes.
    • Corrimento uterino.
    • Restos da placenta.
    • Líquidos fetais.
    • Restos fetais.

Observação: As lesões da pele podem, também, ser via de penetração de germes. A cobertura pelo touro infectado praticamente não tem importância na transmissão da doença.

Principais sintomas da Brucelose

  • Abortamento, principalmente a partir do sexto mês de gestação. Após a primeira infecção, é grande a ocorrência de abortamento. Entretanto, nas gestações seguintes dos animais infectados vão diminuindo as chances de abortamento, podendo inclusive não mais ocorrer, embora o animal continue eliminando a bactéria e atuando como fonte constante de contaminação através da vulva.
  • Nascimento de bezerros fracos.
  • Retenção de placenta.
  • Corrimento vaginal.
  • Inflamação das articulações.
  • Inflamação dos testículos.

Prejuízos causados pela brucelose

  • Desvalorização do animal por ser enviado para abate.
  • Redução na produção de leite.
  • Redução no nascimento de bezerros.
  • Nascimento de bezerros fracos.

Controle e Prevenção da brucelose

O sucesso na eliminação da doença por meio das medidas a seguir dependerá da fase em que ela se encontra, da vigilância sanitária imposta e do tamanho do rebanho:

  • Vacinação das bezerras com três a oito meses de idade.
  • Exame de todo o rebanho, pelo menos uma vez por ano.
  • Repetição do exame dos bovinos suspeitos três meses após o primeiro exame.
  • Eliminação dos bovinos doentes, para o abate.
  • Isolamento das vacas que abortarem.
  • Recondução ao rebanho somente das vacas com exame negativo para brucelose.
  • Consulta ao técnico, para providenciar ou orientar no envio de materiais específicos para exames laboratoriais.
  • Enterro do material resultante do abortamento, que não foi enviado para o laboratório.
  • Desinfecção com cal ou creolina de todo o material que teve contato com o feto, membranas fetais e líquidos fetais.

Aquisição de animais somente em rebanhos (plantéis) livres da doença. Isso porque animais com exames de sangue (sorologia) negativos, oriundos de rebanhos que têm animais comprovadamente infectados, têm grande chance de também estarem doentes.

 

Fonte: embrapa.br
Autor(es):  Ademir de Moraes Ferreira Wanderley Ferreira de Sá João Henrique Moreira Viana Luiz Sérgio Almeida Camargo

Sobre Pedro Paulo Policiano Públio

Pedro Paulo Policiano Públio
Graduando em Zootecnia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, integrante do grupo de estudo em Suplementação de Bovinos a Pasto. Estudante com ênfase em Nutrição e Alimentação Animal. Amante de equinos e informática. Idade, 24 anos.

Veja Tambem!

Perspectivas para a pecuária futura

As previsões de crescimento da população mundial para 2050 é de 9 bilhões de habitantes, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com