Práticas para controle de verminoses em caprinos e ovinos

A verminose é um dos maiores problemas enfrentados pela caprinoovinocultura, sendo responsável pelo maior numero de mortes nos rebanhos, podendo atingir uma mortalidade de 30 %. Ela é uma doença parasitaria causada por diversas espécies de vermes que acometem ovinos e caprinos de todas as idades, porém os animais jovens são os que apresentam maiores gravidades.

O animal pode ser contaminado ao consumir água ou alimento que contenha larvas dos vermes. Uma vez contaminado o animal apresenta alguns sintomas de perda de apetite, emagrecimento, mucosa ocular de cor branca, edema de papada, diarreia e pelos arrepiados.

Em meio a todos os danos que essa doença pode causas, existem algumas praticas de manejo que contribui para reduzir a contaminação no rebanho, e reduz a aplicação de medicamentos. Essas práticas vão desde a escolha da gramínea ate o pastejo.

  • Evitar uma lotação muito alta na área;
  • Escolher uma gramínea que apresente um porte maior que 15 cm, pois as larvas vivem na parte basal da gramínea;
  • Adotar o pastejo rotacionado, associando á utilização de controle biológico, com o pastoreio alternado entre caprinos ou ovinos com outras espécies;
  • Dividir os animais em lotes (separar animais adultos dos jovens);
  • Manter as instalações sempre limpas, depositando os estercos na esterqueira;
  • Manter os bebedouros e comedouros sempre limpos e, se possível, fora das baias.
  • Fornecer água e alimentos de boa qualidade.
  • Vermifugar os cordeiros e cabritos a partir da terceira semana após o início do pastejo e as fêmeas 30 dias antes do parto.
  • Ao adquirir um animal deve realizar a vermifugação antes de incorporá-lo ao rebanho.
  • Não usar vermífugo sem critério, para evitar que os vermes venham a ter resistência aumentar a resistência ao mesmo e trocar o tipo de vermífugo utilizado a cada ano.

Uma das recomendações é de não vermifugar todo o rebanho, atualmente existe alguns métodos que permite examinar os animais e detectar a infestação de vermes. Um desses métodos é o (OPG) ovos por gramas de fezes. Este exame é feito em laboratório, analisando uma contagem do numero de parasitas nas fezes, sendo indicado o uso da medicação quando a contagem de ovos for superior a 1000 ovos/gramas. A outra forma é analisar a mucosa ocular dos animais pelo método conhecido como FAMACHA. Ele auxilia na identificação de animais anêmicos no rebanho, para tal é usado um cartão de cores que vai de um tom vermelho forte ate um tom claro, essas corres corresponde a níveis de 1 a 5, sendo que o animal acima do nível 3 deve ser vermifugado.

De acordo com a EMBRAPA o exame da FAMACHA deve ser realizado a cada 7 dias em regiões onde a pastagem é cultivada e há grande incidência de verminoses. Em regiões de caatinga deve ser feito o exame a cada 15 dias no período chuvoso e no período sedo a cada 30 dias.

A Embrapa Caprinos e ovinos recomenda para as regiões semi-áridas o seguinte esquema de vermifugações:

Vermifugação Mês de realização
Primeira (Vermifugar todo rebanho) Junho/Julho
Segunda (60 dias após a primeira) Agosto/Setembro
Terceira ( Penúltimo mês do período seco) Novembro
Quarta (meados da estação chuvosa) Março

A verminose, sem dúvida contribui de forma significativa para os baixos desempenhos do rebanho e consequentemente afeta a lucratividade da atividade. No entanto quando as praticas de manejo sanitário são adotadas e desenvolvidas de forma correta os resultados são positivos.

Sobre João Wilian Dias Silva

João Wilian Dias Silva
Técnico em Agropecuária pela Escola Família Agrícola de Caculé, Atualmente Graduando em Zootecnia -UESB, bolsista de iniciaçao científica, 22 anos

Veja Tambem!

Manejo sanitário o inimigo das verminoses – OPG

As parasitoses intestinais são um agravo ainda na produção animal, se tornando mais relevante quando …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com