Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará

Em meio à seca e destruição, há também exemplos de fartura.

Produtores de leite têm hoje o bem mais precioso da produção rural: a água.

 Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará. A seca que atingiu várias partes do país no último ano é uma realidade que os nordestinos conhecem de longa data e aprendem a conviver.Fazendas de leite do Ceará que investiram em tecnologia, hoje conseguem ter o bem mais precioso para a produção rural: a água.

Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará
Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará

 O resultado é um gado sadio e produtivo o ano inteiro. Paisagem seca da caatinga, típica da época de seca no sertão. O verde desapareceu das árvores e do capim e quase não mais águas nos rios e açudes. A média anual de chuvas nessa região é em torno de 800 milímetros. Em 2014, foram só 600 e , ainda assim, com chuvas mal distribuídas, concentradas em poucos meses. Nas fazendas, o pasto vira palha e muitos animais não resistem à falta de água, mas em meio a essa realidade há também exemplos de fartura. No contraste com a paisagem seca do sertão, sem pasto, o capim verdinho alimenta as vacas leiteiras. Isso só é possível porque a água da chuva foi guardada para fazer irrigação. Pode-se dizer que é uma produção de vacas irrigadas.

Durante os meses de estiagem, uma vez ao dia, o pivô distribui entre sete e oito milímetros de água no campo, como mostra o diretor de pecuária, Rafael Carneiro. A área começou a ser irrigada há três anos e deu tão certo que o sistema de criação mudou. As vacas de leite saíram do confinamento para o chamado pastejo rotacionado. A área é dividida em 20 piquetes, o gado fica em cada um deles por 24 horas e vai trocando, assim, todo dia as vacas se alimentam em um piquete diferente e só voltam para o primeiro 19 dias depois, tempo suficiente para o pasto se recuperar e ficar bonito e nutritivo. Em 22 hectares irrigados com capim mombaça, tem comida para mais de 300 animais.

“Nossa produtividade aumentou 20% no primeiro mês e os custos reduziram em 50%. Era uma atividade que empatava ou dava pouco ganho, mas se tornou viável”, diz Rafael.

O que está por trás de tudo isso são as barragens e elas só foram construídas depois de um estudo da capacidade de todo o terreno da fazenda para armazenar água. Em 1,2 mil hectares são três grandes barragens e outros 24 reservatórios menores. A fazenda tem no total 1,8 mil animais. As 780 vacas em produção rendem 14,5 mil litros de leite por dia: o que dá mais de 18 litros por animal.

O veterinário Péricles Montezuma acompanha todas as etapas da produção. As vacas sadias no campo são reflexos de práticas que começam em seguida após o parto. Para controle de nutrição e sanidade, bezerrinhas que acabaram de nascer logo são separadas da mãe. O primeiro leite da mãe, o colostro, passa pelo teste que avalia a quantidade de anticorpos, é o que vai fornecer as defesas para os recém-nascidos. Dois dias depois do nascimento, os animais vão para o bezerreiro, onde a água também vem das barragens. Mas o que eles mais querem nesse momento é o leite.

Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará
Investimento em barragens garante o sucesso de fazendas do Ceará

Neste ambiente, as bezerras ficam presas por uma corrente ligada a um cabo de aço, em um sistema de sombreamento, que foi construído especialmente para que toda a área receba sol em alguma parte do dia. As bezerrinhas ficam neste espaço durante dois meses e mais 10 dias sem leite, só com ração, em uma espécie de adaptação para a próxima fase, a de convivência com outros animais. Aí elas são soltas, mas ainda em pequenos grupos, e passam por várias categorias até chegar à idade de reprodução. Tantos cuidados são necessários para preparar um gado produtivo e resistente. Outro investimento é no cruzamento genético. A fazenda trabalha com inseminação artificial há 11 anos.

Esses bons resultados não são méritos apenas de grandes propriedades. Uma fazenda de 210 hectares, em Paracuru, trabalhava só com a plantação de coco, mas raças ao empenho dos donos para buscar conhecimento e tecnologia, hoje tem produção de leite o ano todo, faça chuva ou faça sol.

Fonte: Globo Rural (www.globorural.com)

 

Sobre Ingridy Dutra

Ingridy Dutra
Graduando em Zootecnia - UESB Itapetinga, 19 anos. Bolsista de iniciação FAPESB. Católica Apostólica Romana, devota de Nossa Senhora Aparecida.

Veja Tambem!

Principais fraudes no leite

“Com certeza você já viu ou ouviu alguma notícia abordando leites fraudados. Esse assunto é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by moviekillers.com